O palco e o mundo


Eu, Pádua Fernandes, dei o título de meu primeiro livro a este blogue porque bem representa os temas sobre que pretendo escrever: assuntos da ordem do palco e da ordem do mundo, bem como aqueles que abrem as fronteiras e instauram a desordem entre os dois campos.
Como escreveu Murilo Mendes, de um lado temos "as ruas gritando de luzes e movimentos" e, de outro, "as colunas da ordem e da desordem"; próximas, sempre.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Ciganos, Enzina e "a calca porra"

Os diversos grupos do CoralUSP, neste ano, estão preparando, como uma das peças comuns, a conhecida "Hoy comamos y bebamos" de Juan del Enzina (ou Encina, como é mais comumente escrito - porém sigo a grafia de Savall), importante nome do Renascimento Espanhol.
A música está incluída no Cancionero del Palacio e apresenta as pesadas marcas do catolicismo ibérico: comamos e bebamos hoje, até rebentarmos, pois amanhã jejuaremos! A alegria, pois, dá-se em um contexto de conformidade à religião. Para quem não a conhece, uma gravação do Hespèrion XX regida por Jordi Savall pode ser ouvida aqui, já que o disco de 1991 (Juan del Enzina: Romances & villancicos) que ele gravou para a Auvidis não está mais disponível:
http://www.youtube.com/watch?v=PvxyzV87stk
É alegre e tem um caráter popular: trata-se de um villancico, forma típica dos séculos XIV e XV na península ibérica. A música não tem grandes dificuldades técnicas, e a tessitura requerida é restrita para todas as vozes. No entanto, um verso desafiava a compreensão literária: "Comamos a calca porra". "A", e não "la", o que parecia indicar que "calca", seja lá o que fosse, não era um adjetivo.
Como fui apresentar um trabalho sobre as leis de anistia brasileira e argentinas na Espanha, aproveitei e fiz uma pequena pesquisa in loco. Descobri que os espanhóis, pelo menos aqueles com que falei, não entendem o verso, pois não sabem o que é "calca". A "porra", eles a comem com café.

Não é doce, nem salgada, explicaram-me (não a provei). Parece com churros, porém não possui recheio. As fotos mostram seu preço e como os espanhóis a consomem; a segunda imagem mostra um prato cheio da iguaria. Tirei as duas em Madri, no Café Santander.

Seria a "porra" do século XVI a mesma que é consumida no século XXI? Por ser uma comida tão simples, teria atravessado quase sem alterações os séculos? Não consegui ainda averiguar. De qualquer forma, trata-se de algo a ser comido.
E a "calca", que nada significa para os espanhóis de hoje, que, porém, continuam a empregar o verbo "calcar"? Consegui descobrir em um dicionário que se trata de um vocabulário popular, um jargão de "ciganos, rufiães e ladrões": um caminho de terra (aberto pelas pisadas dos caminhantes: daí, a relação com o verbo "calcar").
Parece, portanto (deixo para quem ler isto trazer soluções melhores para a interpretação do verso), que, na música, as pessoas vão comer por esse caminho a "porra".
Note-se que estamos cantando essa música em um contexto de expulsão dos ciganos na França: não deixa de ser um manifesto político!

8 comentários:

  1. Oi, Antonio! Muito bom e divertido!
    Obrigada pelos esclarecimentos! Agora vai ficar mais fácil cantar esse trecho que era de certa forma indigesto, rs.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Antonio! Muito bom e divertido!
    Obrigada pelos esclarecimentos! Vai ficar mais tranquilo cantar aquele trecho, rs.

    ResponderExcluir
  3. Olá:

    Descobri neste Blog um comentário sobre churros e porras http://gladio.blogspot.com/2004/06/churros-e-porras.html.
    Já a Wikipedia sugere que as Porras são uma versão madrilenha dos Churros.
    Creio que a diferença está na existência ou não de recheio.
    Cybelle

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Cybelle. As porras que conheci em Madri não tinham recheio.
    Abraços,
    Pádua

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Do contexto carnavalesco se percibe que trátase de jantar moito. Calcar é apretar algo cós pés. A porra es un pao, una maza que se usa para atizar ou golpear. Náo é tampoco um canto a voracidade maís só iso, que trátase da última oportunidade antes de cuaresma.
    Non tem tampouco caracter lujurioso, para iso Encina ja ficera outros versos mais picantes(Si abrá en este baldrés - pele fina - mangas para todas tres...). Este home foi o "axente social" do segundo Duque de Alba no tempo dos Reyes Católicos Isabel e Fernando. Fizera do primer teatro profano (a modo dos actos religiosos de reies) mais tanbem versos satiricos de todo tipo.De seguro tivera relación com o infante Don Juan, que fizera construir a Casa da Mancebia, primer lupanar com licencia de Castilla. Este caracter desenfadado é normal num licenciado de Salamanca da época. Más tarde dos treinta anos nao fiz mais composicoes deste tipo.
    Nas cafeterías almoçan-se churros e porras. Os da foto son churros. As porras sao más gordas e azeitosas. Seguro que as masas fritas foran conhecidas naquella época, máis o sentido do verso é apretar "entre peito y espalda" ou "reventar".
    Miguel
    Zamora

    ResponderExcluir
  6. Prezado Miguel Zamora,
    muito obrigado pela explicação. E vejo que fui enganado: venderam-me churros no lugar de porras.
    Abraços, Pádua

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Não posso falar muito português mas gostava de fazer uma aclaração: eu sempre entendi que "calcaporra" é o mesmo que "cascoporro" que é uma forma de dizer "muito". Comamos a calcaporra = comamos até que não possamos mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sentido nesse contexto, mas é necessário ver essa etimologia.

      Excluir